???

terça-feira, junho 26, 2007

Surpresa...


Estou a frequentar um curso de formação profissional, em horário pós laboral… Significa que o Leão está agora na qualidade de “fada do lar”. Consigo ir a casa jantar, porque o local de formação é pertinho de casa, mas não consigo fazer jantar, dar jantar ao Leãozinho, etc…
Ontem, durante a ½ hora que tenho para jantar, estive a contar ao meu homem algumas conversas com e-amigos. Fiz-lhe entender que tanta conversa sobre o que fazemos durante o dia para nos mantermos “quentes” até à hora de deitar, me tinha mantido a escaldar… Mas ½ hora para jantar, só dá mesmo para jantar. Voltei para a formação, insaciada…
Porém, quando voltei, deparei-me com uma pequena surpresa do meu Leão. Assim que abri a porta da rua apercebi-me do aroma a gel de banho e perfume. “Estiveste-te a lavar e perfumar para mim, mor?” perguntei-lhe quando o encontrei nuzinho na sala, perfumado e com a barbinha feita… Ele respondeu-me sem palavras… apenas com um enorme sorriso malicioso. Enquanto fui à casa de banho, ele acendeu velas, serviu duas flutes com espumante, desligou a tv e a luz e pôs a tocar um cd com baladas da Maria Betânia. Qual a mulher que não fica de cueca encharcada só com esta preparação toda?
Apresentei-me a ele totalmente nua, tal como ele se havia apresentado a mim. Sentei-me nas grandes almofadas estrategicamente colocadas no chão e aceitei o espumante. Bebemos devagar, saboreando um after-eight e trocando beijos, carícias e meiguices. Nem sei quantas vezes me perguntou se sabia que era linda… O meu homem ontem estava realmente romântico.
Com a boca fria do espumante, beijou-me o pescoço, descendo pelas mamas, barriga e virilhas. Antes de me dar o que eu ansiava, deu novo gole no espumante, refrescando uma vez mais a sua carnuda boca. Só depois me beijou com a língua o clítoris, com a boca fresca, provocando-me um agradável arrepio. Não se apressou ao dar-me estes mimos. Dedicou-se em sentir-me vir-me na sua boca. Penetrou-me com os dedos enquanto me lambia. E quando sentiu a minha rata a inundar com os seus sucos, deu-me a provar o meu sabor. Eu deliciei-me a lamber-lhe os dedos e logo o convidei a montar-me. “Dá-me pila, mor. Dá-me pila!!!” Quando chego a este nível de excitação, já só quero é senti-lo dentro de mim, penetrando-me com força, complementando-me! Subiu para cima de mim, elevando-me os pés sobre os seus ombros e começou a foder-me. Primeiro devagar… e depois acelerando o ritmo, até perceber que eu estava novamente a abeirar o orgasmo. Aí empenhou-se numa cavalgada sobre o meu corpo, levando-me mais uma vez ao céu! Depois de me restabelecer dos tremores que este orgasmo me havia dado, subimos para cima do sofá, onde me coloquei de quatro. A minha favorita! Agarrou-se às minhas ancas e começou a sua dança de cintura. Penetrou-me com força, pois a minha rata estava alagada e pronta para o receber. O seu pau a roçar nos lábios inchados da minha coninha era o suficiente para me arrepiar… para me elevar… para me manter encharcada! Cavalgou-me com força. Agarrando-me os cabelos fez-me levantar as mãos do sofá. Agarrou-me as mamas com a mão direita, enquanto a esquerda se mantinha puxando o cabelo. E fodia-me… Com força! Apercebi-me que ele se aproximava do orgasmo, pela rapidez com que me fodia, pela dureza do seu pau, pela ansiedade que sentia na sua respiração. Concentrei-me na fricção do seu pau na minha rata e nas pancadas do seu pau no meu interior e entreguei-me ao terceiro orgasmo… Senti todas as forças a abandonar o meu corpo… Os mamilos a enrijecer… Um arrepio a percorrer-me a pele… E os sucos dele a escorre-me pelas pernas.
“Estivemos mais de uma hora nisto!” disse eu, ao olhar o relógio!
É tão bom quando nos amamos assim. Apaixonadamente. Sem olhar a pressas. Completamente entregues ao prazer de nos sentirmos mutuamente!
Ainda acabamos a garrafa de espumante enquanto nos rimos e conversamos sobre a queca… Adoro rir das expressões que faz quando se vem! Assim como ele gosta de gozar dos guinchinhos que dou quando estou no auge! Hi hi hi hi

terça-feira, junho 19, 2007

O que lês antes de dormir?


Comprei, a pedido do Leão, o livro “Passarinhos” da Anais Nin. Ainda não lhe havia pegado, pois tinha outro livro na mesinha de cabeceira Terminado o livro, dediquei-me a ”Os passarinhos”. Li dois contos de uma vez. E devo confessar que o conto “Mulher das dunas”, que junta dois perfeitos desconhecidos numa união sexual nas dunas de uma praia, me deixou em alvoroço… Estava no fim do conto, e já me contorcia e apertava as nádegas e coxas, sentindo a minha ratinha a iniciar a produção de sucos, quando o Leão chegou à cama. Assim que se meteu debaixo dos lençóis, não estive com meias medidas: “Mor, faz-me um minete!” disse-lhe eu com mimo na voz… Claro que desatamos à gargalhada, e foi ainda a rir, que ele levantou os lençóis e desceu até à minha já húmida e palpitante rata.
Provocou-me. Sabia que eu já ansiava pelo toque dos seus lábios e da sua gulosa língua. E por isso, antes de se dirigir à minha racha molhadinha, lambeu-me as virilhas, os lábios. Contornou toda a entrada, prolongando a minha ansiedade, até me dar aquela lambidela larga, lenta e molhada desde o meu ânus até ao meu clis… Agarrou-se ao clítoris com os lábios e chupou-o, lambeu-o e levou-me rapidamente ao céu. Os dois dedos estimulando o topo da minha coninha ajudaram… Quando regressei do espaço celeste ofereci-lhe o mesmo prazer que ele me havia propiciado. Mantive-o de joelhos na cama e deitei-me de barriga para baixo para me deliciar com o seu sexo. Lambi-o das bolas à glande, devagar com a língua encharcada em saliva, tal era o meu apetite e desejo pelo seu sabor. Estimulei-lhe a glande insinuante com a língua e, por fim, abocanhei-o todo e mamei aquele pau cujos aromas me deliciam… Senti-o a endurecer mais na minha boca enquanto dançava em vaivém, mantendo sempre a minha língua em contacto com a sua cabecinha… Quando ao fim de uns momentos o senti pulsar na minha boca, parei. Não queria que as coisas ficassem por ali… Mantive-o naquela posição: de joelhos na cama e com as mãos apoiadas atrás de si, inclinado para trás. Subi para cima do meu garanhão e encaixei-me nele. Cavalguei-o. Primeiro devagar… Depois acelerando o ritmo… Impondo o ritmo daquela dança e a intensidade do meu prazer. Cavalguei-o até começar a perder o controle… Quando atinjo determinado ponto de excitação perco o controle… Deixo de conseguir manter o ritmo. Enlouqueço! Agarrei-me ao seu pescoço e atirei-me para trás, arrastando-o comigo, sem nunca nos desencaixarmos. Passamos por várias variantes da posição de missionário. Adoro ser comida à canzana, mas naquele momento a minha vontade era tanta que só o queria “comer”… Beijá-lo e lambê-lo intensamente na boca, no pescoço, nas orelhas… Sorver todos os seus sabores. Agarrá-lo com os braços, com as pernas… Oferecer-me totalmente a ele! Fundir-me nele!
Ele agarrou-se a mim com força, enfiando a cara nos meus cabelos, inalando os meus aromas enquanto me fodia com força… Nem sei quantas vezes me vim, tal a intensidade da foda que demos.
Colocou-me as pernas sobre os seus ombros para me agarrar as ancas e ver as minhas mamas excitadas a saltar. Estavam arrebitadinhas e túrgidas da excitação e ele gosta de as ver assim… Agarrou-me as ancas e ofereceu-se a um ritmo alucinante, anunciando o seu êxtase. O seu clímax. Quando me senti inundada pelos seus sucos ouvi-o a conter um urro, que se manifestou num gemido sonoro. Deixou-se cair sobre mim e assim ficamos durante uns largos momentos… Sentindo-nos relaxar… O batimento cardíaco a diminuir… Enquanto nos beijávamos, afagávamos e confessávamos nossos sentimentos uns aos outros.

sexta-feira, junho 15, 2007

Tive que dar banho aos meus filhotes de manhã pois transpiraram muito com o calor, durante a noite.
Enquanto a minha filhota dormia, dei banho ao nino que, logo após o banho, enquanto o limpava, se sai com esta deixa:
- Sabes, mamã, a minha pila é maior que a dos outros meninos, lá da escola. O J. tem uma pilinha muito pequenininha, sabes? As meninas até se riem dele...
Eu:
- Oh, filho... Se calhar o teu colega estava com frio e tinha a piloca encolhida...
O meu filho:
- A sério, mamã, a B. (a educadora) também diz que sim. Eu e o M. é que temos as pilas maiores. AhAhAh... (Riso de orgulho)
Eu:
- ... (incrédula com o que estava a ouvir)
O meu filho:
- Não achas que é bom ter a pilinha grande, mamã? Não dizes nada?
Eu:
- Digo, meu Amor. É muito bom ter a pila grande!
O meu filho (com um sorriso triunfante) :
- Pois é! Assim o meu chichi chega mais longe...
Bem, vocês nem imaginam a minha cara, nem as gargalhadas que dei, abraçada a ele!!!
Os miúdos são demais. E ainda só têm 5 anos! (Estou tramada!!!)
A isto se chama ORGULHO DE MÃE!!!
:-)

segunda-feira, junho 11, 2007


O Leão chamou-me para ao pé de si. Sabia que o seu cansaço não lhe permitiria aguardar muito mais por mim, que freneticamente tratava de roupas, arrumações e limpezas. Compreendi imediatamente o que lhe ia na mente, e por isso, antes de ir ter com ele, fui à casa de banho, refresquei-me, recordando-me que ele tinha feito a barba há pouquinho! Hummm… Comecei logo a imaginar os seus lábios e língua a percorrer as minhas zonas mais intimas! Saí da casa de banho nua e fui procurar um pequeno negligé amarelo torrado que ele me havia oferecido no meu aniversário. Sendo muito curtinho, justo e transparente não tapa parte nenhuma do meu corpo. Mas também não era essa a intenção! ;)
Fui ter com ele à sala, aproximei-me devagar, oferecendo aos seus olhos o meu corpo, cujas formas estavam salientadas pela minha petite roupinha!
Não estive com meias medidas. O modo como me apresentei à sua frente dizia tudo. Coloquei-me em frente à TV e deslizando o braço para trás desliguei-a. “Vamos para a caminha, mor?” Ele nem disse nada, aceitou a minha mão estendida para ele e acompanhou-me ao quarto. Lá, deitei-me sobre a cama, atirei para trás os braços e abri-me, oferecendo-me aos seus lábios. O meu Leão deslizou a língua pelas minhas virilhas… depois pelos meus grandes lábios… depois pelo meu clítoris… depois pela entrada do meu sexo. Deixou-me rapidamente húmida e ansiosa! Quando por fim os seus lábios se agarraram ao meu clítoris e os seus dedos escorregaram por mim adentro, buscando o meu ponto G, não consegui evitar uma contracção e um guinchinho! Encaixou-se tão bem em mim, prendendo a minha anca com os seus braços que me levou a uma sucessão de contracções, de movimentos de vai-vem em direcção à sua boca e àquele esguicho de prazer! Vim-me grandiosamente na sua boca! Pareceu-me ter perdido os sentidos por um breve instante! Abandonei o meu corpo e elevei-me no prazer obtido! Não consegui deixar de apertar e acariciar os meus mamilos, tentando prolongar aquele prazer.
“Fode-me! Fode-me mor!” pedi-lhe eu! Estava num estado de excitação muito intenso, e queria sentir dentro de mim o meu Leão! O seu pau estava já bem duro e eu encharcadinha, pelo que passamos logo à acção que eu pedira…
Assim que me começou a penetrar tive que lhe dizer “Ai mor! Que pila tão boa!” Parece cliché! Mas disse-lhe mesmo! E o sorriso que se esboçou no rosto dele e a pontada que senti no seu sexo, fez-me crer que ele ADOROU ouvir esta frase cliché!
Enquanto me fodia, num ritmo já acelerado, puxei a minha pequena e apertada camisinha de noite para baixo, de modo a expor as minhas mamas, que me pediam carícias. Fiquei com as mamas bem encaixadas sobre o tecido, encostadinhas uma à outra e fitando o Leão, que não conseguia tirar os olhos delas! E aquele olhar guloso, aquele “És tão boa!” escrito nos olhos dele, tirou-me do sério!
“Fode-me de 4 mor!!!” disse-lhe desencaixando-me dele e virando-lhe o rabinho. Ele penetrou-me rapidamente deslizando por mim adentro que me mantinha excitada e encharcada! Comeu-me com vigor, friccionando o meu ponto G com o seu pau, levando-me a uma segundo e incrível orgasmo, quando eu pensava que melhor que o primeiro já não seria com certeza possível! Viemo-nos quase ao mesmo tempo! Ainda estava eu a sentir os espasmos do orgasmo no meu corpo quando o senti a jorrar em mim o seu prazer!
Ficamos os dois encaixados um no outro por um momento e depois prostrados sobre a cama! Rimo-nos imenso com os diálogos desta queca, que na altura foram pronunciados com sentimento, sinceridade e tesão! Pensem o que quiserem! O que é certo é que expressar verbalmente o que nos vai na alma (ou noutro sitio qualquer!!!) durante o sexo, é para muitos, muito excitante!
Para vocês, é?
Beijinhos! Xuac!

sexta-feira, junho 08, 2007

Confiança

A verdadeira confiança num casal só existe quando o marido deixa a mulher aparar-lhe os pêlos púbicos com uma tesoura afiadíssima, deixando-lhos bem curtinhos, quase que depilados.

Não é, Felino? :-)

Mesmo com a tesoura na mão, tu estiveste relaxado, plenamente confiante. Amo-te mais por isso. E mais ainda, porque te posso lamber à vontade, com um prazer acrescido, pela quase ausência de pêlos.
Hummmmmm....

segunda-feira, junho 04, 2007

Sorriam!
É segunda-feira, são 07h16, mas está sol, já começou a época balnear, os dias estão mais longos e, tal como os bichinhos, apetece fazer amor a toda a hora...
Tive um fim-de-semana divinal. Já vo-lo conto, mas antes tenho que ir preparar os meus filhotes para a escola. Já volto aqui ao PC.

Miauuu...
UPDATE (08h45):
Sim, o dia hoje começou muito cedo, mas o fim-de-semana foi tão bom que colmata qualquer síndroma de segunda-feira que pudesse, eventualmente, sentir!

No sábado de manhã fomos, os 4, às compras porque teremos, muito em breve, um casamento e os miúdos não tinham roupa apropriada. Após 1 hora e apenas 3 lojas, já estávamos despachados, com roupinhas lindas e perfeitas para a ocasião.

Decidimos ir almoçar fora e fomos a um restaurante muito especial, aonde nos conhecem há anos e aonde nunca tínhamos levados as crianças. Foi a escolha perfeita, a comida estava deliciosa e o vinho branco que eu e o Felino bebemos ajudou a tornar a refeição muito agradável. Já não bebia tanto vinho há algum tempo, pelo que, como é normal em mim, em situações idênticas, a minha libido extravasou os meus poros e a minha sexualidade libertou-se ao ponto de o Felino o notar nos meus olhos, na minha boca e nos meus gestos. Mas no carro não podia avançar muito às 2 da tarde e os ninos acordados...

Mal chegamos a casa, o meu maridão começou logo a tratar de se arranjar porque iríamos ter uma despedida de solteiro que começaria à 4 da tarde. Ele ia ter com “os meninos” e eu com “as meninas”amigos/as do feliz casal cujo enlace matrimonial está para breve. E ainda tinha que levar os ninos a casa dos baby-sitters (um maravilhoso casal amigo, que nos ajudou imenso com a sua disponibilidade, apesar de terem um bebé pequeno! OBRIGADA!) Não tínhamos muito tempo, mas quando o vi despido, só de boxers, eu não resisti. Os miúdos tinham acabado de pôr o “Happy Feet” no DVD e estavam instalados confortavelmente a devorar as imagens, pelo que sabia que poderia dispor de algum tempo para... nós! Hummmmm...

Comecei por me esfregar nele, levantando o vestido e empinado o rabinho de forma a ele o ver ali disponível, o que resultou numa palmadinha imprevista, que me mostrou bem a vontade dele. Uau!
Continuei a deslizar o meu corpo pelo dele, roubando-lhe beijos enquanto ele se tentava vestir (no fundo, tudo era um jogo de sedução e de resistência, que ele tão bem sabe jogar!!!). Acabei por derrubar as barreiras dele, com um empurrão que o fez cair na cama e com a minha rapidez a tirar-lhe os boxers e a atirar-me ao pénis que já tinha arrebitado o suficiente para me encher a boca. Dediquei-me tanto a ele até que a minha boca ficou totalmente preenchida e me deliciei longamente a chupá-lo e lambê-lo. Que belas palpitações aconteceram naquele quarto nessa tarde, oh, oh!!!
Levantei o vestido e encaixei a minha ratinha bem por cima da cabeça dele, ansiando por um minete com o qual ele me brindou, caprichando até ao fim. Não me quis vir, tal como ele não se tinha vindo na minha boca. Partilhamos um beijo que foi também a partida do sabor dos nossos fluidos, de puro tesão! Desci as ancas, que ele acompanhou firmemente com as mãos, e cavalguei-o com uma pujança tão minha, com os pés apoiados na cama, encostados às coxas dele e com o pénis fantasticamente encaixado na minha ratinha que o devorava compassadamente. Ai que tesão me dá só de lembrar! É que foi tão bom, tão bom, que me vim imenso, sentindo-o a preencher-me por completo.
Com uma força vinda nem sei bem de onde, o Felino pegou-me com um braço e rodopiou sobre mim, para me penetrar com gula, olhando-me nos olhos, transmitindo-me aquele amor profundo que o liga a mim e me fez ligar a ele. Sentir aquele vaivém, aquela troca de fluidos deliciosa, aquele olhar e todo o amor que transpiramos, fez-nos vir em simultâneo. Eu gritei, confesso que gritei, porque foi demasiado bom! E ele tapou-me a boca, rindo-se desenfreadamente, ainda encaixado em mim. Com as minhas gargalhadas, acabamos por “sujar” os lençóis que ficaram a testemunhar o nosso acto de amor até à noite.
É verdade: a despedida de solteira foi óptima e assim foi a dos homens.

E isto foi só no sábado. Ainda falta o domingo!!!
Fica para amanhã, o relato...

sexta-feira, junho 01, 2007

Lie with me


Ontem o Leão convidou-me a sentar-me ao seu lado no sofá. Tinha colocado no leitor de dvd’s um filme: “Vem comigo” (ou Lie with me, na sua versão original). (Obrigada Felina, pela prenda! ;)) O filme não é propriamente inocente… E vi-nos retratados ali, porque tal como o casal protagonista, começamos a nossa relação sem intenção de compromisso, procurávamos apenas satisfazer o tesão que dávamos um ao outro. Quem diria que 9 anos depois ainda estaríamos juntos, já com um filho e vivendo muito felizes?
O que é certo é que, conhecendo-me bem e já tendo visto o filme, o Leão imaginou o efeito que teria sobre mim. Eu estava com uma curta e transparente camisa de dormir (Outra prenda da Felina!!!), sem cuequinha por baixo… O filme começa com a menina a masturbar-se no sofá, vendo um filme porno. E a mão do meu homem imediatamente deslizou pelas minhas coxas acima, determinado a ajudar o filme a excitar-me!
O filme cumpriu a sua função. Mas os dedos sábios que me afagavam contribuíram bastante mais!
A minha mão procurou sobre a roupa dele o seu sexo, que agarrei, afaguei e manejei com carinho até o sentir endurecer. Expu-lo aos meus olhos gulosos e assim melhor o pude trabalhar. Não tardei a passar a língua húmida pela cabecinha do seu sexo, e depois pelo seu comprimento, para logo depois o abocanhar todo. Com os olhos postos na queca a ser dada na TV chupei-o com calma, sorvendo cada aroma e saboreando a sua pele fresca e lavada. A certa altura, tive mesmo que virar costas à TV e ajoelhar-me à frente do Leão para melhor o satisfazer e o sentir.
Maravilhei-me a olhar a dureza do teu pau, reflectindo a ténue luz do candeeiro da sala na minha saliva. Tinha que o cavalgar. Mas fi-lo de modo a manter os olhos nas quentes cenas do filme! Virei-me de costas para ele, sentei-me no seu colinho e encaixei-me nele. Enterrei-me o mais que pude, querendo senti-lo todo dentro de mim. Enterrei-me e esfreguei-me, rodopiando as minhas ancas, encaixada nele, friccionando o seu pau em cada recanto da minha vagina. Agarrei as suas bolas encostando-as ao meu sexo. Vim-me quase imediatamente, pois já estava há um bocado a sentir a adrenalina a crescer dentro de mim. Já sentia há um bocado uma veiazinha a pulsar nos meus grandes lábios!
Cavalguei-o com vigor! Saltei enterrando-me nele. Os músculos das minhas pernas diziam-me que não aguentavam mais, mas o tesão manteve-os em pleno funcionamento. Quando me vim, parei para saborear os meus sucos que escorriam pelo seu sexo. Voltei a ajoelhar-me à sua frente e passei a língua por todo o seu comprimento, enquantos as minhas mãos massajavam as suas bolas quentes. Hummm…. Foi o único som que me saiu da boca preenchida! Sorvi cada gotinha de mim, e apercebendo-me da proximidade do seu orgasmo, convidei-o a comer-me mais uma vez. De quatro porque sei que me venho SEMPRE nesta posição!
Sem dó nem piedade (como eu gosto!!!) agarrou-se às minhas ancas, penetrou-me com força e fodeu-me energeticamente, levando-me ao previsto orgasmo e vindo-se em jorradas. Estremeceu de prazer, talvez por uma arrepio que lhe percorreu a espinha na altura da libertação da tensão sexual. E ficamos um bom pedaço assim, encaixados um no outro, sentindo a sua respiração no meu pescoço e ouvindo as suas palavras doces no meu ouvido enquanto me beijava as costas, as orelhas e o pescoço.
Até ao momento que adormeci não consegui tirar do rosto um sorriso parvinho que me provocaram os fantásticos orgasmos obtidos!
Ainda voltamos ao sofá para ver o final do filme, que ao contrário das minhas expectativas, até tem um final feliz!